Valdívia e Concepción, Chile. 8 de fevereiro a 11 de março de 1835

Local 31

A destruição do terremoto e das tsunamis

O HMS Beagle ancorou em Valdívia em 8 de fevereiro de 1835. Charles aproveitou sua estada para coletar amostras de rochas e animais até o dia 20 de fevereiro, quando sentiu os efeitos de um terremoto que abalou a região.

Como Darwin estava numa floresta distante (cerca de 300 km do epicentro do terremoto), sentiu somente a terra tremer por dois minutos e não presenciou a grande destruição no local onde estava. Contudo, em Valdívia, Talcahuano e Concepción as construções sofreram forte estrago e houve muito desespero entre os habitantes, pois como consequência do tremor da terra, ocorreram as tsunamis que devastaram as cidades e as áreas portuárias.

Charles e FitzRoy registraram em seus diários a sequência de fatos decorrentes do terremoto, o cenário devastado e o pânico das pessoas que presenciaram ou sentiram o terremoto e as tsunamis que o seguiram. Chocado com a impressionante destruição que presenciou, Darwin passou a refletir sobre as possíveis relações entre os terremotos e os vulcões, pois já se imaginava naquela época, que a superfície do planeta era uma crosta pouco espessa, sobre uma massa de rocha derretida e que os vulcões eram abertura nessa crosta. Darwin começou a questionar se os episódios de terremotos e vulcanismo estariam relacionados entre si.

Ar seco no Chile – Entrevista Almirante Bittencourt

Escrito no período

Darwin escreveu em seu diário no dia 20 de fevereiro de 1835.

Este dia é famoso nos anais de Valdívia pelo mais severo terremoto de que os habitantes mais antigos se recordam. Alguns, que estavam em Valparaíso durante o terrível terremoto de 1822, dizem que esse foi igualmente forte. Mal posso dar crédito a isso, e devo pensar que em terremotos, como em ventanias no mar, o último é sempre o pior.

Eu estava em terra, deitado na mata para descansar. Ele veio repentinamente e durou dois minutos (mas pareceu muito maior). O movimento foi muito nítido; tanto para mim quanto para meu criado, a ondulação pareceu viajar de leste para oeste. Não havia dificuldade em se ficar de pé, mas a oscilação me causou tonturas. Posso comparar a sensação à de patinar em gelo muito fino ou ao movimento de um navio atravessando um marulho perpendicular.

Um terremoto como este imediatamente destrói as associações mais antigas; o mundo, o próprio emblema de tudo que é sólido, move-se sob nossos pés como uma crosta sobre um líquido; um segundo de tempo transmite à mente uma estranha ideia de insegurança que horas de reflexão jamais criariam. Na floresta, uma brisa movia as árvores, eu sentia a terra tremer, mas não via disso qualquer consequência. Na cidade, onde estavam quase todos os oficiais, a cena foi mais terrível; como todas as casas são construídas de madeira, nenhuma chegou de fato a cair e apenas umas poucas ficaram danificadas. Todos esperavam ver a igreja transformada em uma pilha de ruínas. As casas sacudiram violentamente e rangeram muito; pregos foram parcialmente arrancados. Tenho certeza de que são esses acompanhamentos e o horror pintado nas faces de todos os habitantes que comunicam o pavor de todos os que viram, assim como sentira, desta forma, um terremoto. Na floresta ele foi um ffenômeno muito interessante, mas de modo algum apavorante. O efeito nas marés foi muito curioso; o grande impacto ocorreu em um momento de maré baixa; uma velha que estava na praia me disse que a água fluiu rapidamente, mas não em grandes ondas, até a marca da maré alta e, com a mesma velocidade, retornou a seu nível adequado; isso também era evidente graças à área molhada.

Em 04 de março, assim que Darwin desembarcou na ilha Quiriquina, soube dos danos provocados pelo terremoto:

O capataz da propriedade veio a cavalo para nos contar as terríveis notícias do grande terremoto do dia 20: “Que nem uma só casa em Concepción ou Talcuhano [Talcahuano] (o porto) estava de pé; e setenta vilarejos foram destruídos; e que uma grande onda praticamente varrera as ruínas de Talcuhano”. Logo vi prova abundante deste último fato; toda a costa estava coberta de madeira e de móveis, como se mil grandes navios houvessem naufragado. Além de cadeiras, mesas, estantes em grandes quantidades, havia diversos telhados de cabanas quase inteiros; depósitos haviam sido destruídos e, em toda parte, grandes sacas de algodão, Yerba, e outras mercadorias valiosas estava, espalhadas. Durante minha caminhada pela ilha, observei que numerosos fragmentos de rochas que, pelo restos marinhos grudados neles, devem ter estado em água funda por muito pouco tempo, haviam sido arremessados para o alto da praia; um deles era uma laje retangular de seis por quatro pés, com cerca de dois de espessura.

A própria ilha mostrava os efeitos do terremoto com a mesma nitidez com que a praia mostrava os da onda que se lhe seguiu. Muitas grandes rachaduras, que tinham uma direção norte-sul, cruzavam o chão; algumas delas, perto das falésias da costa, com uma jarda de largura; e muitas enormes massas de pedra, em todo canto, despencaram; no inverno, quando vier a chuva, a água causará deslizamentos ainda maiores. O efeito na ardósia dura subjacente foi ainda mais curioso, com a superfície fragmentada em partículas pequenas. Se este efeito não se limita, como suponho que seja o caso, às partes mais altas, parece maravilhoso que reste qualquer rocha sólida no Chile. Para o futuro, quando eu vir uma secção geológica cortada por qualquer quantidade de fissuras, compreenderei bem o motivo. Acredito que este terremoto tenha feito mais para degradar os diminuir o tamanho da ilha do que cem anos de desgaste ordinário.

No dia 05 de março, Charles registrou em seu diário:

Desembarquei em Talcuana [Talcahuano] e, depois disso, cavalguei com o capitão até Concepcion. As duas cidades apresentavam espetáculo mais pavoroso, e no entanto mais interessante, que jamais contemplara. Para qualquer pessoa que houvesse conhecido anteriormente, ele deveria sê-lo ainda mais: mas as ruínas estão tão confundidas e misturadas e o cenário tem tão pouca aparência de lugar habitável que é difícil entender como foi grande o dano. Muitos compararam as ruinas às de Éfeso ou aos desenhos de Palmira e de outras cidades do oriente. Em Concepcion, cada casa ou linha de casas apresentava-se como uma pilha ou uma linha de detritos; em Talcuhano, graças à grande onda, restou pouco mais do que apenas uma camada de tijolos, telhas e madeira, além de, aqui e ali, parte de um muro ainda de pé. Graças a essa circunstância, Concepcion, embora não tivesse tão completamente desolada, era a visão mais terrível e, se posso dizê-lo, mais pitoresca.

O terremoto ocorreu, como vimos em Valdívia, às onze e meia. Pensa-se, em geral, que se houvesse ocorrido à noite, pelo menos três quartos dos habitantes teriam perecido. É provável que não mais que cem tenham encontrado seu fim; e no entanto muitos podem ainda estar enterrados nas ruinas. O terremoto veio com tremenda violência e não deu aviso; o habito constante que têm essas pessoas de correr de suas casas imediatamente ao perceberem o primeiro tremor foi a única coisa que as salvou. Os habitantes mal haviam cruzado os umbrais quando as casas caíram.

Acredita-se que este tenha sido o pior terremoto que jamais ocorreu no Chile. É difícil, no entanto, dizer, pois os piores tipos de tremores acontecem somente depois de longos intervalos de sessenta ou cem anos. Na verdade, mesmo que fosse muito pior, isso não teria importância, pois a desolação agora é completa. Depois de examinarmos as ruínas de Concepcion, não posso compreender como a maior parcela escapou sem se ferir.

Ainda no dia 5 de março, diante de tanta desolação, Charles refletiu sobre as consequências drásticas, para um país, decorrentes de um terremoto:

Jamais rirei novamente quando vir gente fugindo de suas casas por causa de um tremor insignificante; nem o fará qualquer um a bordo que agora viu o que é um terremoto. O terremoto, por si só, basta para destruir a prosperidade de um país. Se sobre a Inglaterra um foco vulcânico retomasse seu poder, como seria completa a alteração de todo o país. O que seria das casas altivas, das cidades densamente povoadas, das grandes manufaturas, dos grandes edifícios privados e públicos? Se um foco vulcânico como esse anunciasse sua presença por um grande terremoto, como seria terrível a destruição da vida humana que aconteceria. A Inglaterra iria à falência; os jornais, relatos, registros, como aqui, ficariam impedidos e o governo não poderia recolher os impostos.

Sobre as ondas gigantes que destruíram Talcahuano, o capitão FitzRoy escreveu:

Cerca de meia hora depois do tremor, quando a maior parte da população já havia chegado no alto, o mar havia recuado tanto que todos os barcos ancorados estavam em terra, até mesmo os que se encontravam a uma profundidade de sete braças [12m], e todas as pedras e bancos de areia na baía ficaram à vista; então viu-se uma enorme onda forçando a passagem pela entrada oeste que separa a ilha Quiriquina da terra firme. Essa onda terrível passou rapidamente pelo lado oeste da baía de Concepción, varrendo tudo o que era móvel nas margens íngremes, a uma distância de 30 pés [9m] (verticalmente) da marca da maré alta. Ela quebrou, arremeteu e fez rodopiar os navios como se fossem pequenos barcos; inundou a maior parte da cidade e então recuou em uma torrente tão forte que tudo o que era móvel e que o terremoto não havia enterrado sob montes de ruínas foi carregado para o mar. Em poucos minutos os barcos estavam outra vez em terra, e viu-se uma segunda onda se aproximar, com mais ruído e impetuosidade do que a primeira; mas embora esta fosse mais poderosa, os efeitos não se tornaram tão consideráveis – simplesmente porque havia menos o que destruir. Mais uma vez o mar recuou, arrastando para longe grandes quantidades de madeira e de materiais leves das casas e deixando os navios em terra.

Após alguns minutos de horrível incerteza, viu-se uma terceira onda enorme entre Quiriquina e a terra firme, aparentemente maior do que qualquer uma das anteriores. Rugindo ao se chocar contra os obstáculos com força irresistível, ela correu – destruindo e derrubando tudo – ao longo da costa. Retirando-se rapidamente, como se repelida pela base das colinas, o refluxo da onda arrastou tal quantidade de objetos domésticos, cercas, mobílias e outras coisas móveis, que, depois que o tumulto cessou, o mar ficou coberto de destroços. Terra e água tremeram: e uma exaustão seguiu-se a esses poderosos esforços.

Muitos moradores correram então para as ruínas, ansiosos para avaliar a extensão de suas perdas e para salvar algum dinheiro ou artigos valiosos que, tendo escapado ao movimento do mar, haviam ficado expostos aos depredadores.

Pelo resto do dia e pela noite seguinte a terra não ficou quieta por muitos minutos seguidos. Tremores frequentes, quase incessantes, choques ocasionais mais ou menos severos e ruídos subterrâneos distantes mantiveram todos em ansiosa expectativa. Alguns achavam que a crise ainda não havia chegado e não quiseram descer das colinas até a cidade destruída. Os que catavam coisas nas ruínas assustavam-se a cada tremor, por mais leve que fosse, e quase duvidavam de que o mar não estivesse mais uma vez subindo para esmaga-los.

Você sabia?

  • Que em 1838, Darwin apresentou um artigo na Geological Society de Londres sobre as relações entre os episódios vulcânicos e a formação dos continentes? Neste artigo intitulado “Sobre a conexão de certos fenômenos vulcânicos na América do Sul; e a formação de cadeias montanhosas e vulcões como efeito da mesma forca pela qual os continentes são elevados” Charles analisa três terremotos e erupções vulcânicas, que possivelmente estavam conectadas.
  • Que a existe uma escala que mede a intensidade dos terremotos? A Escala Richter foi elaborada por Charles Richter e Beno Gutenberg para medir a magnitude dos terremotos de acordo com o seu resultado na superfície terrestre. É uma escala logarítmica que vai de magnitude 1 a 10. Esta escala mensura a magnitude dos terremotos, além de compará-los entre si. Para melhor entendimento, um tremor de terra de magnitude 8 é dez vezes mais intenso que um de magnitude 7 e cem vezes mais forte que um terremoto de magnitude 6.
  • Que, segundo o U.S. Geological Survey (agência geológica americana que pesquisa os terremotos), o evento de 20 de fevereiro de 1835, foi de 8,2 de magnitude na escala Richter? Isso significa que a intensidade do tremor de terra foi suficiente para destruir quase todas as construções, inclusive as pontes, os viadutos e as edificações.

Para saber mais...

Galeria