Londres, Inglaterra. 1837 a 1842

Local 41

Um pesquisador incansável!

Darwin estava preocupado pois havia muito trabalho a ser feito. Ele não medira esforços para conseguir um financiamento do governo que viabilizasse a classificação dos espécimes. Foram muitas idas e vindas a Londres e a Cambridge para conversar com os renomados especialistas. Convidado para ser membro de Sociedades Científicas, participou de diversos debates e trocou inúmeras correspondências com colegas e pessoas influentes. Até que, finalmente, em agosto de 1837, o Ministro das Finanças o enviou uma carta concordando em conceder mil libras para financiar o trabalho de classificação de suas coleções. O resultado seria publicado como um livro com vários volumes intitulado Zoologia da Viagem do Beagle.

Darwin dividiu as coleções de acordo com a área dos especialistas: os Mamíferos Fósseis ficaram com Richard Owen, Mamíferos com George Robert Waterhouse, os Pássaros com John Gould, os Peixes com Leonard Jenyns e os Répteis com Thomas Bell. Foi necessário contratar desenhistas para ilustrar cada espécie classificada como nova. Todo trabalho de equipe foi supervisionado por Darwin, que complementou as pesquisas com suas anotações de campo, descrição dos dados geográficos e geológicos, e informações sobre os habitats e hábitos dos espécimes coletados.

Um dos primeiros a apresentar importantes resultados em suas classificações foi o ornitólogo John Gould, que expôs suas conclusões nos encontros da Sociedade de Zoologia. Segundo Gould, os tentilhões de Galápagos pertenciam a um grupo inteiramente novo, até então desconhecido pela ciência e existente apenas naquelas ilhas. Além disso, cada espécie com um formato de bico diferente, pertencia a apenas uma das ilhas. Essa empolgante revelação questionava a estabilidade das espécies. Darwin decidiu iniciar um caderno de anotações específico sobre a ‘transmutação’ das espécies.

Nessa mesma época FitzRoy o convidou para ser co-autor de um livro sobre as expedições do HMS Beagle. O Comandante King e FitzRoy ficaram responsáveis pela escrita do volume I e II, respectivamente, e Darwin ficou com o terceiro volume baseado em seu diário de bordo e suas anotações geológicas e zoológicas.

Charles se mudou para Londres, perto de instituições científicas como a Sociedade de Zoologia e o Museu Britânico. Junto com seu irmão Erasmus – que se tornara um bon vivant – passou a frequentar a intensa vida da sociedade britânica onde os debates eram sempre muito ricos e polêmicos. Em julho de 1838, já cansado da vida agitada de Londres, decidiu tirar umas férias na Escócia e aproveitou para visitar sua família.

Em 9 de novembro de 1838, tomou um trem e foi até a casa de seu tio Jos para pedir sua prima Emma em casamento. Ela era apenas um ano mais velha que Charles e eles sempre foram muito amigos. Como ela era muito religiosa, Charles fez questão de lhe falar sobre seus pensamento polêmicos e suas crenças. Ela agradeceu pela sua sinceridade e aceitou a proposta. Eles se casaram no dia 29 de janeiro de 1839, numa igreja em Maer. No mesmo dia viajaram para Londres, onde residiram por algum tempo. Neste mesmo ano, o Diário da Viagem do Beagle foi publicado, aumentando a reputação de Darwin ainda mais.

Trabalho de Equipe
Entrevista com prof. Ildeu Moreira

Escrito no período

Carta de Darwin à Francis Beaufort, em 16 de junho de 1837, pedindo seu conselho para solicitar apoio do governo para produzir uma obra sobre os espécimes coletado no HMS Beagle:

Meu prezado senhor

Havendo, como está ciente, acompanhado o comandante FitzRoy em uma viagem ao redor do mundo, tive a possibilidade, nos últimos cinco ano, de fazer amplas coleções nos vários sectores da história natural. Diversos cavalheiros cientistas que as examinaram são de opinião que os resultados devem ser publicados; entretanto, vendo-me impossibilitado de arcar com a despesas das numerosa gravuras que se fariam necessárias, atrevo-me a ter esperanças de obter a assistência do Governo, de maneira semelhante à que foi proporcionada a sir J. Franklin, ao dr. Richardson e a outros, de modo a poder produzir uma obra que seja honrosa para o país. Ouso confiar em que esta solicitação não seja considerada minimamente presunçosa, sobretudo por eu declara que a totalidade da despesas, incluindo a aquisição de materiais para a preservação dos espécimes, juntamente com o salário pago a um assistente, foi de bom grado custeada por mim. Posso acrescentar que a coleção inteira já foi ou será, dentro em breve, distribuída aos museus públicos, onde será reconhecidamente útil. Estou anexando a opinião dos presidentes das três Sociedades Científicas com respeito à utilidade dessa publicação, caso ela seja ilustrada com gravuras, e qualquer auxílio que o Governo possa fornecer seria exclusivamente empregada na espécies novas e não descritas. Outros naturalistas e eu somo de opinião de que serão necessários 150 lâminas, e que a despesa de desenhá-las e gravá-las equivaleria a aproximadamente mil libras, as quais só seriam solicitadas em parcelas ao longo de uma no e meio.

Rogo-lhe dizer-me a quem devo endereçar este pedido, e | Aceite, prezado senhor, | Meus mais sinceros agradecimentos | Chas. Darwin...

[Anexo da Carta]

Profundamente impressionados com a importância e o ineditismo das coleções de história natural trazidas pelo sr. Darwin no HMS Beagle, somos de opinião que a divulgação delas em um projeto uniforme, ilustrado por gravuras, seria sumamente benéfica para a ciência natural.

Somerset | Derby | W. Whewell

Você sabia?

  • Que Richard Owen, convidado por Charles para classificar os mamíferos fósseis, era um homem ativo e ambicioso? Ele se tornou diretor do Museu de História Natural.
  • Que Richard Owen não acreditava na transmutação das espécies? Ele argumentava energicamente nas reuniões científicas se opondo às propostas de Darwin e, mais tarde, veio a se tornar inimigo feroz de Charles e de seus colaboradores.
  • Que em 1839 Charles teve seu primeiro trabalho publicado? Ele ficou responsável pelo terceiro volume do Narratives of the Surveying Voyages of HMS Beagle between the years 1826 and 1836, sendo o primeiro volume escrito por P.P. King, e o segundo por FitzRoy.
  • Que Darwin, nos seus tempos de solteiro, escreveu sobre os pós e contras do casamento? Em uma coluna ele listou os pontos positivos de se casar e no outro os pontos negativo.
  • Que Charles Darwin se casou com sua prima Emma Wedgwood? Filha do querido Tio Jos, ela foi muito amiga de Charles durante toda a vida.
  • Que Charles e Emma tiveram 10 filhos? Ao todo, sete chegaram a vida adulta e formaram uma família muito unida e participativa.
  • Que Darwin em 1839 buscou fundamentos para suas ideias sobre a “transmutação das espécies” no livro de Thomas Malthus, Ensaio sobre o princípio da população, publicado pela primeira vez em 1789? Thomas Malthus era economista político e fez uma análise para fundamentar uma grande reforma da assistência social da época.

Galeria